https://ojs.revistadelos.com/ojs/index.php/delos/issue/feed DELOS: Desarrollo Local Sostenible 2024-05-20T12:25:45+00:00 Editorial Team [email protected] Open Journal Systems <p>Journal <strong>DELOS: Desarrollo Local Sostenible</strong> was created in 2007, and has ISSN 1988-5245. Until the year 2022, DELOS was maintained by EUMED Publisher (Servicios Académicos Intercontinentales S.L). Since 2023, it has been disaffiliated with EUMED, following its own path.</p> <p><strong>DELOS</strong> is a monthly journal, with double blind arbitration system, dedicated to publishing articles that deal with sustainable development, under the <strong>multidisciplinary character of all areas of knowledge</strong>.</p> <p>The main objetive is to construct a space for transdisciplinary debate about the task linked to formation, starting from critical sense and attention to primary sources, with special attention to the university environment, contributing towards the generation of multidisciplinary knowledge. </p> <p>All articles published in this journal are indexed in international scientific bases such as: DICE, Latindex, IDEAS, EconPapers, Dialnet, Miar, Indices CSIC and Plataforma Sucupira (Qualis CAPES).</p> <p><strong>DELOS</strong> is evaluated by <strong>Qualis-CAPES Brazil B1</strong> (Qualis 2017-2020).</p> <p><a href="https://scholar.google.com/citations?hl=pt-BR&amp;view_op=list_works&amp;authuser=3&amp;gmla=AJsN-F4FbQasXh60mheKnRVlquVy6xcGd3nPFP5xS5Dfzxr-926vVpIKi8WTwHmOzj1PTHqDMjeO0YyfOVk4oBHUvrmozD_bEtXO6va862dIBEZZ3twgR6I&amp;user=8mIagjUAAAAJ"><strong>H index = 21</strong></a>| <a href="https://scholar.google.com/citations?hl=pt-BR&amp;view_op=list_works&amp;authuser=3&amp;gmla=AJsN-F4FbQasXh60mheKnRVlquVy6xcGd3nPFP5xS5Dfzxr-926vVpIKi8WTwHmOzj1PTHqDMjeO0YyfOVk4oBHUvrmozD_bEtXO6va862dIBEZZ3twgR6I&amp;user=8mIagjUAAAAJ"><strong>i10 index = 64</strong></a></p> https://ojs.revistadelos.com/ojs/index.php/delos/article/view/1419 Use of eggshell as an alternative substrate for biofilters in recirculation aquaculture systems 2024-05-03T12:43:02+00:00 Viviane dos Santos Marques [email protected] Juliana Sguerçoni de Oliveira Vieira [email protected] Amanda Pimentel Alves [email protected] João Antônio Vieira de Oliveira [email protected] Natália de Souza Pires Costa [email protected] Taís da Silva Lopes [email protected] Pedro Pierro Mendonça [email protected] <p>One of the biggest challenges of recirculating systems (RAS) is keeping levels of toxic compounds, such as ammonia, low. This work sought to evaluate the use of eggshell as a biofilter substrate in the cultivation of juvenile <em>Oreochromis niloticus</em>. The experiment lasted 90 days, using four treatments: A) 100% expanded clay, A+CO) 50% expanded clay and 50% eggshell, PC) MBBR3 and NC) without substrate, with three replications each, storing 15 juveniles with an initial weight of 1.26±0.08g. Feeding occurred three times a day with commercial food offered until apparent satiety. The following parameters were monitored: pH, temperature (ºC), dissolved oxygen (mg L-1), electrical conductivity (µS cm-1) and total soluble solids (ppm); and zootechnical performance indices: survival rate (%), weight gain (g), specific growth rate (% day-1) and condition factor. Water samples were collected at the inlet and outlet of the biofilters on days 0, 30 and 60 of the experiment. Means were compared using the 5% Tukey test. All biofilters used maintained water quality parameters within those recommended for production, with emphasis on A+CO. The concentrations of ammonia at the inlet of the A+CO biofilter were lower than the others, providing lower levels of this substance in the system and high concentrations of nitrate. It was concluded that the biofilter composed of 50% expanded clay and 50% eggshell showed better efficiency in maintaining water quality compared to the others, revealing its potential as an alternative biological substrate.</p> 2024-05-03T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.revistadelos.com/ojs/index.php/delos/article/view/1420 A influência da precipitação pluviométrica nos níveis do Rio Mearim-MA, Brasil, e seus impactos sociais em 2009 2024-05-03T12:53:22+00:00 Andréa Helena Machado dos Santos Cerqueira [email protected] Vera Lúcia Araújo Rodrigues Bezerra [email protected] Carlos Wendell Soares Dias [email protected] Márcio Roberto Bezerra Fialho [email protected] Ronaldo Haroldo Nascimento de Menezes [email protected] Hallan David Velasco Cerqueira [email protected] <p>Neste trabalho estudou-se a Bacia Hidrográfica do Mearim no Estado do Maranhão-Brasil. Em uma análise comparativa através de gráficos dirigida aos meses de março, abril e maio do ano de 2009, o qual foi considerado atípico com chuvas acima da média, este estudo observou o comportamento das cotas do rio Mearim em três localidades específicas (Grajaú, Barra do Corda e Pedreiras) e o comportamento das chuvas nesses meses, com o objetivo principal de comparar os valores das cotas em 2009 com as cotas médias e com o índice pluviométrico, bem como esclarecer o porquê de tantas chuvas nesse ano. Foram utilizados dados de cota e chuva mensais da ANA, imagens do satélite meteorológico GOES-10 e informações da Defesa Civil do Estado. Os resultados mostraram que nas três localidades, as chuvas de abril e maio ficaram muito acima da média. Em Grajaú as cotas de abril e maio registraram 107,3 e 170,7 cm acima da média, respectivamente. Barra do Corda apresentou em abril uma cota de 9,7 cm acima da média e de 148,5 cm acima da média em maio. Os valores mais críticos foram de Pedreiras, que em abril registrou uma cota de 207,5 cm acima do normal e 506,4 cm em maio. O aumento do nível do rio Mearim provocou problemas sociais, econômicos e perda de vidas humanas. Cerca de 400 mil pessoas foram afetadas de alguma forma pelas enchentes de 2009.</p> 2024-05-03T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.revistadelos.com/ojs/index.php/delos/article/view/1421 A sala de aula invertida no ensino da Epidemiologia para Enfermagem: Relato de Experiência 2024-05-03T13:55:21+00:00 Jonathan Costa Freire [email protected] Raphaela dos Santos Calazans [email protected] Beatriz Souza de Andrade [email protected] Maria Eduarda Alves Heringer [email protected] Carolina Vilela Santos da Silva [email protected] José Carlos Amaral Gevú [email protected] Kamile Santos Siqueira Gevú [email protected] <p>Objetivo: Descrever o processo de ensino e aprendizagem da disciplina de epidemiologia para a enfermagem, com a utilização do método de “sala de aula invertida”, em uma instituição de ensino superior. Métodos: Trata-se de estudo descritivo, de abordagem qualitativa, tipo relato de experiência, realizado durante o primeiro e o segundo semestres de 2022, em duas turmas, com 41 discentes no total. Aplicou-se a sala de aula invertida com a mediação tecnológica do Google Classroom™ como ambiente virtual de aprendizagem. Utilizaram-se materiais bibliográficos e audiovisuais para o estudo dos conteúdos, o que incluiu, também, a resolução prática de exercícios, a apresentação de seminários e a realização de projetos de pesquisa. Resultados: Observou-se que essa metodologia ativa possibilitou o estímulo ao pensamento crítico, a integração entre teoria e prática, o desenvolvimento de habilidades de pesquisa, o engajamento ativo, um melhor aproveitamento do tempo e uma maior apropriação dos conteúdos pelos discentes, sendo o acompanhamento docente e as monitorias um aspecto diferencial no processo.&nbsp; Considerações finais: A sala de aula invertida potencializou o aprendizado e enriqueceu a formação dos estudantes como forma inovadora que pode refletir positivamente nos desafios de suas práticas profissionais.</p> 2024-05-03T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.revistadelos.com/ojs/index.php/delos/article/view/1422 Revisão integrativa sobre os principais tópicos clínicos e epidemiológicos na DPOC (Doença pulmonar obstrutiva) 2024-05-03T13:58:51+00:00 Marcos Antonio Lemos Pinheiro Filho [email protected] José Germano Nunes de Sousa Filho [email protected] João Pedro Rodrigues de Araujo [email protected] Anderson Felipe Bezerra da Silva [email protected] Valmir da Cruz Pereira Neto [email protected] Letícia Laís Ribeiro de Lima [email protected] Luciano Nunes de Sousa [email protected] Lyzandra Maria de Oliveira Leite [email protected] Roberta Moreno Padilha Leal [email protected] Lhanderson Valério Costa Batista [email protected] Wanessa Ventura de Oliveira Cavalcanti [email protected] <p>A DPOC é caracterizada por uma obstrução fixa da via aérea causada por enfisema e bronquite crônica. É um problema clínico comum e crescente que se associa ao tabagismo, sendo essa uma relação de 80%. Entretanto, a definição de DPOC depende da exclusão de outras doenças que causam obstrução de vias aéreas, como fibrose cística e bronquiectasias. A etiologia da DPOC está intimamente ligada à exposição a fatores de risco ambientais, sendo o tabagismo o principal fator desencadeante. Outros agentes como a poluição do ar, exposição ocupacional a substâncias tóxicas e predisposição genética também desempenham um papel importante no desenvolvimento e progressão da doença. Partindo das repercussões não desejadas da doença, o objetivo da revisão é ter uma temática bem debatida sobre pontos epidemiológicos e clínicos para que estudantes e profissionais da saúde tomem como base para seus estudos e prática clínica, respectivamente.</p> 2024-05-03T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.revistadelos.com/ojs/index.php/delos/article/view/1423 Qualidade de mudas de Caesalpinia peltophoroides produzidas em diferentes sistemas de produção 2024-05-03T14:14:25+00:00 Débora Caroline Defensor Benedito [email protected] Adalberto Brito de Novaes [email protected] Kemele Cristina Coelho [email protected] Hannah Cristina Botelho Lima de Fanola [email protected] Vinicius Alves Rodrigues [email protected] <p>O presente estudo teve como objetivo avaliar a qualidade de mudas de <em>Caesalpinia peltophoroides </em>Benth, considerando os efeitos de diferentes sistemas de produção envolvendo tubetes, sacos plásticos e Ellepot®. A pesquisa foi instalada no viveiro de mudas da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, no campus de Vitória da Conquista. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado, totalizando cinco tratamentos com cinco repetições, sendo utilizados cinco sistemas de produção de mudas: tubete 55 cm³, tubete 120 cm³, saco plástico 138 cm³, saco plástico 480 cm³ e recipientes biodegradáveis da marca Ellepot® 115 cm³. Os parâmetros morfológicos avaliados foram: altura da parte aérea (H), diâmetro de colo (D), relação altura diâmetro (H/D), biomassa fresca e seca da parte aérea e do sistema radicial e Índice de Qualidade de Dickson (IQD). Os resultados obtidos foram submetidos à análise de variância e as médias comparadas pelo teste Tukey a 5% de probabilidade. O sistema de produção de mudas, tipo sacos plásticos com 480 cm³, apresentou as melhores médias para a maioria dos parâmetros morfológicos avaliados em viveiro, indicando mudas de melhor qualidade, especialmente com a espécie em estudo, a Sibipiruna.</p> 2024-05-03T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.revistadelos.com/ojs/index.php/delos/article/view/1428 Além das fronteiras: estratégias e desafios para internacionalização das empresas 2024-05-06T14:04:15+00:00 Tácito Augusto Farias Júnior [email protected] Allysson Barbosa Fernandes [email protected] Adenízia Serafim dos Santos Farias [email protected] João Luis Josino Soares [email protected] Tícia Rebecca Serafim Farias [email protected] Danilo Marcos Leme Fukuoka [email protected] Marcio Lisboa Feitoza [email protected] Antônio José Martins Mascarenhas [email protected] <p>A internacionalização de empresas é um fenômeno que vem se intensificando nas últimas décadas e foi impulsionada pela globalização e pelo avanço da tecnologia proporcionando a facilitação do processo de comunicação e transporte globalmente. O artigo em questão utiliza a metodologia de levantamento bibliográfico, pois para a realização desta pesquisa tornou-se necessária a coleta e análise de informações relevantes e disponíveis em livros e/ou artigos científicos publicados em conferências e periódicos. É discutida a variedade de estratégias de internacionalização, como exportação, joint ventures, aquisições e instalação de filiais, enfatizando a necessidade de adaptar-se às especificidades culturais e de mercado dos países alvo. São destacados os desafios gerenciais, como a superação de barreiras culturais e regulatórias, e a importância da flexibilidade estratégica para o sucesso. Conclui-se que a internacionalização requer inovação, adaptabilidade e uma compreensão aprofundada das dinâmicas locais, além de enfatizar a sustentabilidade e responsabilidade social corporativa como componentes chave para o sucesso internacional.</p> 2024-05-06T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.revistadelos.com/ojs/index.php/delos/article/view/1429 Análise das características físicas e propriedades mecânicas de argamassas com substituição fracionária do agregado miúdo por resíduos de madeira e com adição de papel 2024-05-06T14:09:22+00:00 Tainá Ceron Arcaro [email protected] Jorge Henrique Piva [email protected] Aline Eyng Savi [email protected] Rafael de Paula Gurkewicz [email protected] Bruna Juvêncio Frasson [email protected] Augusto Wanderlind [email protected] Elaine Guglielmi Pavei Antunes [email protected] <p>Este trabalho consiste em substituir o agregado miúdo por resíduo de madeira, juntamente com adição de papel em traço de argamassa e analisar suas características físicas e propriedades mecânicas. Nas misturas foram utilizados o traço 1:5 (cimento: areia) e adotado um percentual de substituição de 5 e 10% em volume para o resíduo de madeira e para a adição de papel foi fixada a porcentagem de 75% em relação a massa do resíduo de madeira substituído. O resíduo de madeira utilizado passou por um tratamento químico com NaOH a fim de estabilizar e neutralizar algumas características da madeira. Foram verificadas a influência da inserção dos resíduos nas argamassas através dos ensaios de determinação da retenção de água, densidade de massa, absorção de água por capilaridade, massa específica, resistência à tração na flexão, compressão axial, módulo de elasticidade e resistência à aderência à tração. Houve uma diminuição na retenção de água conforme a substituição do agregado pelo resíduo de madeira e um aumento com a adição de papel, verificou-se também diminuição na densidade de massa. Nos ensaios mecânicos não houve diferença significativa entre as amostras, apenas o traço com 5% de substituição de madeira apresentou resultado superior aos demais na resistência a compressão. A mistura com melhor resistência à aderência no bloco cerâmico foi o traço com 10% de substituição de madeira.</p> 2024-05-06T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.revistadelos.com/ojs/index.php/delos/article/view/1432 Resposta fisiológica de sementes forrageiras embebidas com água de cultivo piscícola 2024-05-08T13:38:40+00:00 Thassiane Telles Conde [email protected] Luciane da Cunha Codognoto [email protected] Juslei Figueiredo da Silva [email protected] Glaucia Amorim Faria [email protected] Katia Luciene Maltoni [email protected] <p>As Pastagens são a principal fonte de alimento para o rebanho brasileiro, devido aos baixos custos de produção. Como mais da metade desses sistemas possuem algum grau de degradação torna-se necessário o emprego de métodos que favoreçam a germinação e vigor das plântulas, seja nos processos de implantação ou reforma de pastagens. Aliado a isso, é importante garantir a reposição de nutrientes ao solo, sendo a fertirrigação uma alternativa promissora. Desta forma, o estudo teve como objetivo verificar a influência de períodos de embebição (0, 8, 16, 24, 48 e 60 horas) de sementes de <em>Brachiaria brizantha</em> cv Marandu, quanto à germinação, vigor e produção, com águas subterrâneas e de piscicultura de tambaqui. O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado (DIC), no esquema fatorial 2 x 6, com 5 repetições. Os resultamos mostraram que os comprimentos aéreo e de radícula e a massa seca de plântulas foram favorecidos pelo uso da água oriunda do sistema piscícola de Tambaqui, diferindo significativamente da água subterrânea. Enquanto o hidrocondicionamento de 24h proporcionou incremento na massa seca de plântulas e melhor índice de velocidade de emergência. Entretanto, o efeito dos tratamentos favoreceu apenas o desenvolvimento inicial da plântula, pois a avaliação da massa seca total realizada aos 71, 92 e 113 dias após semeadura não revelou diferença na produtividade.</p> 2024-05-08T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.revistadelos.com/ojs/index.php/delos/article/view/1433 Normatização sanitária e qualidade microbiológica: a tradição produtiva em debate 2024-05-08T13:51:22+00:00 Rafael do Valle Paiva [email protected] Cristiane Figueira da Silva [email protected] Natasha dos Santos Rosa [email protected] Cezar Augusto Miranda Guedes [email protected] <p>Ao longo de toda a sua constituição o Brasil vivenciou histórias de exploração desigual de seu território, resultando em um quadro de extrema desigualdade econômica e social, seja no campo, seja na cidade. A exploração intensiva da terra com modelos de produção de larga escala forjou uma enorme concentração de terras em todo o território nacional. A formação de Assentamentos de Reforma Agrária surgiu como resposta ao enorme conflito social que marca o meio rural brasileiro até os dias de hoje. O Assentado de Reforma Agrária aparece como novo ator no processo de disputa por autonomia e independência social e econômica. Contudo, a luta por inserção no mercado formal esbarra em barreiras não tarifárias, que submetem o produtor familiar ao mesmo controle rigoroso da Normatização Sanitária que é impelido aos grandes agropecuaristas nacionais. O presente estudo buscou demonstrar como se dá a relação entre a Legislação Sanitária e a produção tradicional camponesa, quais foram os processos buscados pelos assentados de reforma agrária para contornar as dificuldades impostas pelo regime de controle sanitário vigente no Brasil. Para tanto, trabalhou-se como objeto empírico o Projeto de Assentamento São Fidelis, situado em município homônimo e inserido na principal bacia leiteira do estado do Rio de Janeiro, o que possibilitou o acompanhamento de famílias assentadas com trajetórias na pecuária de leite e que em algum momento se depararam com as condicionantes da legislação sanitária em vigor. Pôde-se observar a ineficácia de atendimento às condicionantes da norma, bem como o desconhecimento das mesmas, o que reflete a debilidade da própria estrutura de fiscalização e acompanhamento da produção animal, por parte dos órgãos competentes. O que se tem é a necessidade de adaptação dos parâmetros sanitários à produção em escala reduzida, possibilitando a introdução desse setor, no mercado formalizado, gerando benefícios tanto para as famílias assentadas, quanto para o consumidor local.</p> 2024-05-08T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.revistadelos.com/ojs/index.php/delos/article/view/1434 Sistemas Fotovoltaicos Flutuantes: uma solução energética sustentável para a Amazônia? 2024-05-08T13:57:54+00:00 Mauricio Gama Júnior [email protected] Andrea Viviana Waichman [email protected] <p>Este estudo avalia a viabilidade de sistemas fotovoltaicos flutuantes (FVFs) em reservatórios de Usinas Hidrelétricas (UHEs) na Amazônia como uma solução para expandir a capacidade energética do Brasil de maneira sustentável. A metodologia incluiu a análise de dados de irradiação solar e a simulação de cobertura de reservatórios para calcular a geração potencial de energia e a redução de emissões de gases de efeito estufa. Os resultados indicam que os FVFs podem gerar energia significativa, superando as projeções de demanda futura e contribuindo para a redução das emissões de carbono ao substituir geração termoelétrica. A análise de impacto ambiental utilizando a Matriz Rápida de Impactos Ambientais (RIAM) mostrou que os FVFs têm impactos ambientais menores comparados à expansão de novas hidrelétricas e termelétricas. A conclusão destaca que os FVFs, ao operarem em complementaridade com as UHEs existentes, podem melhorar a eficiência energética das hidrelétricas e oferecer uma estratégia eficaz para atender à crescente demanda por energia no Brasil de forma sustentável, alinhando desenvolvimento energético com conservação ambiental.</p> 2024-05-08T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.revistadelos.com/ojs/index.php/delos/article/view/1435 Preparação e caracterização de um sensor de PH a partir do nanocompósito carboximetilcelulose e nanocristais de celulose com extrato de açaí-solteiro (Euterpe precatoria) 2024-05-08T14:01:24+00:00 Bruno Roseno de Souza Maia [email protected] Marcelo Ramon da Silva Nunes [email protected] Anselmo Fortunato Ruiz Rodriguez [email protected] Daniel Alves de Figueiredo Filho [email protected] <p>O presente estudo aborda a elaboração de um sensor de pH utilizando um material polimérico biodegradável obtido a partir do nanocompósito de carboximetilcelulose e nanocristais de celulose, combinados com extrato de açaí-solteiro (<em>Euterpe precatoria</em>). Para a produção do sensor, foram inicialmente desenvolvidos a carboximetilcelulose e os nanocristais de celulose a partir do bambu "taboca" (<em>Guadua weberbaueri</em>), enquanto a antocianina foi obtida da polpa do açaí-solteiro. O estudo também avaliou os efeitos da adição de diferentes proporções de nanocristais de celulose como reforço do polímero, realizando caracterizações físicas e morfológicas dos nanocristais através de diversas técnicas, como análise do teor de celulose, análise de tamanho de partículas (Zetasizer), espectroscopia de infravermelho (FTIR), difração de raios-X (DRX), análise termogravimétrica (TGA) e microscopia eletrônica de varredura (MEV). Além disso, as propriedades ópticas da antocianina como sensor de pH foram investigadas por espectroscopia de absorção na região UV-Vis. O objetivo principal foi determinar a melhor proporção dos materiais para a fabricação do nanocompósito. Os resultados mostraram-se promissores em relação ao uso dos nanocristais como reforço de compósitos poliméricos, embora não tenham sido eficazes na redução da solubilidade do material. No entanto, destaca-se a vantagem ambiental do sensor, devido à sua característica biodegradável, representando um avanço significativo no campo da sustentabilidade.</p> 2024-05-08T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.revistadelos.com/ojs/index.php/delos/article/view/1436 Borra de Própolis no controle de helmintos, padrões séricos e hematológicos de ovinos em sistema de pastejo 2024-05-08T14:06:48+00:00 Alberto Chambela Neto [email protected] Laura Vescovi Lopes [email protected] Ismail Ramalho Haddade [email protected] Gustavo Haddad Souza Vieira [email protected] Paola Alfonsa Vieira Lo Monaco [email protected] <p>Avaliou-se a eficiência da borra de própolis sobre a incidência de helmintos e os padrões séricos e hematológicos de ovinos de corte, manejados em sistema de pastejo em <em>Megathyrsus maximus</em> (cv. Mombaça) sob lotação intermitente, comparando-a com a ivermectina comercial. Utilizou-se oito ovelhas mestiças, quatro em cada tratamento por 60 dias. Realizou-se contagem de ovos por grama de fezes (OPG) quinzenal e foram realizados exames de sangue no início e no fim do experimento. Na análise da OPG observou-se variação em ambos os tratamentos durante as quinzenas avaliativas. Os parâmetros hematológicos que apresentaram diferença foram plaquetas e fibrinogênio. As plaquetas embora houve diferença estavam dentro dos valores referência em ambos os tratamentos e o fibrinogênio aumentado. Embora não tenha havido diferença nos níveis de hemoglobina, estas estavam baixas em ambos os grupos, o que indica uma possível anemia causada por infecção com helmintos. Os padrões séricos não diferiram entre os tratamentos. Os níveis de GAMA-GT e ureia elevados sugerem sobrecarga hepática, porém esta avaliação não foi foco do estudo. A borra de própolis permite um controle de helmintoses semelhantes a ivermectina e não causa problemas metabólicos em ovinos.</p> 2024-05-08T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.revistadelos.com/ojs/index.php/delos/article/view/1444 Desafios e oportunidades na incorporação de tecnologias biotecnológicas na agricultura 2024-05-13T13:04:51+00:00 Agnes Guedes de Lívio Naves [email protected] Wagner Menechini [email protected] Thiago Alberto Ortiz [email protected] Silvia Graciele Hülse de Souza [email protected] Edvan Costa da Silva [email protected] <p>A agricultura moderna vem incorporando diversas tecnologias para otimizar o cultivo de plantas, com o intuito de aumentar a produtividade e a resistência a pragas. O uso de microrganismos benéficos às plantas tem sido um mercado em ascensão, visando promover benefícios à sanidade vegetal por meio de técnicas biotecnológicas melhorando, assim, a capacidade produtiva. Além disso, a transformação genética em plantas tem desempenhado um papel crucial na introdução de características desejáveis, como resistência a doenças e a estresses ambientais. A cultura de tecidos é considerada uma prática fundamental na multiplicação rápida de plantas com características específicas, facilitando a produção em escala comercial. A tecnologia CRISPR, por sua vez, vem revolucionando a edição genética, possibilitando modificações precisas no DNA das plantas para aprimorar características desejadas. Ainda, a tecnologia Bt, por meio da utilização da bactéria <em>Bacillus thuringiensis</em> em plantas, que confere resistência a insetos através da expressão de proteínas inseticidas, tem sido uma ferramenta essencial no melhoramento genético vegetal no controle de pragas. Essa abordagem reduz a necessidade de inseticidas, minimizando impactos ambientais e contribuindo à saúde humana e à conservação da biodiversidade. Por fim, a transgenia e a tecnologia Intacta têm trazido à agricultura um conjunto de soluções que inclui ferramentas biotecnológicas, genética avançada, além de produtos e técnicas de manejo inovadores, por meio da incorporação de genes que promovem tolerância a pragas específicas e a herbicidas, fortalecendo a segurança e a produtividade das colheitas. Em consonância, essas tecnologias utilizadas no melhoramento de plantas proporcionam avanços significativos na agricultura, promovendo a sustentabilidade e a eficiência na produção de alimentos, sendo, por muitas vezes, devido ao uso de microrganismos multifuncionais.</p> 2024-05-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.revistadelos.com/ojs/index.php/delos/article/view/1445 Análise físico-química e microbiológica da água de poços no município de Itacoatiara-AM, Brasil 2024-05-13T13:09:02+00:00 Maria Sandra Rodrigues Soares [email protected] Halley Rodrigues Filho [email protected] Adriene de Oliveira Amaral [email protected] Aldeize Santos Tribuzy [email protected] José Carlos Rodrigues Soares [email protected] <p>O fornecimento de água em Itacoatiara - AM é predominantemente baseado em poços artesianos, e à medida que a demanda continua a aumentar, é crucial assegurar o acesso contínuo à água tratada para atender às necessidades da população que depende desse recurso vital. Diante disto, este trabalho teve como objetivo investigar a potabilidade da água nos poços artesianos e das redes que abastecem a cidade de Itacoatiara-AM. Foram analisados os seguintes parâmetros: turbidez, temperatura, pH, condutividade, ferro e microbiológico. Nas amostras analisadas foram observados valores de turbidez entre 0,02 NTU e 0,19 NTU, enquanto a temperatura variou de 27,2 °C a 28,3 °C. O pH da água apresentou variações entre 4,20 e 6,38, e a condutividade variou de 56 S/m a 185 S/m. O ferro na água variou de 0,042 mg/L a 0,046 mg/L. As análises microbiológicas apresentaram ausência de coliformes totais e Escherichia coli. sugerindo uma ausência de contaminação microbiológica. Os resultados revelaram valores dentro dos padrões estabelecidos pela legislação vigente, indicando a qualidade satisfatória da água fornecida. Este estudo contribuiu para o monitoramento da qualidade da água em Itacoatiara e ressalta a importância da manutenção de padrões adequados de tratamento para garantir a saúde pública e o bem-estar da população.</p> 2024-05-13T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.revistadelos.com/ojs/index.php/delos/article/view/1451 Seed treatment with essential oils to control Sclerotium rolfsii Sacc 2024-05-16T14:17:56+00:00 Ananda Rosa Beserra Santos [email protected] Larisse Raquel Carvalho Dias [email protected] Paulo Henrique Soares da Silva [email protected] Delson Laranjeira [email protected] Candido Athayde Sobrinho [email protected] Luana Maria Alves da Silva [email protected] <p>The sclerotia wilt in cowpea caused by the fungus Sclerotium rolfsii has in chemical control an inefficient option. Essential oils have antifungal properties, constituting an alternative to agrochemicals. Here, we evaluated the efficiency of essential oils in the control of <em>S. rolfsii</em>, from seed treatment, as well as their effect on seed germination. Based on the diameter of the colonies of the fungus <em>S. rolfssi</em> submitted to a concentration of 8.0 ml/kg of seed<sup>-1</sup>, the oils of <em>L. sidoides</em>, <em>L. origanoides</em> and <em>C. zehntneri</em> reduced mycelial growth by 61.5, 67.2 and 40% respectively. The reduction in the percentage of germination occurred at the highest concentrations. The fungus was sensitive to all evaluated oils, being more sensitive to <em>Lippia</em> oils. Seed treatment with essential oils is effective at a concentration of 4.0 ml/kg<sup>-1</sup>.</p> 2024-05-16T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.revistadelos.com/ojs/index.php/delos/article/view/1452 Thermographic evaluation and sensible heat emission of quails (Coturnix coturnix japonica) kept at different temperatures 2024-05-16T14:25:09+00:00 Paulyran Santos Moura [email protected] Dermeval Araújo Furtado [email protected] José Pinheiro Lopes Neto [email protected] Raimundo Calixto Martins Rodrigues [email protected] Airton Gonçalves de Oliveira [email protected] Airton Gonçalves de Oliveira [email protected] Ricardo de Sousa Silva [email protected] Luiza Lira Leite [email protected] Tacila Rodrigues Arruda [email protected] Brendo Júnior Pereira Farias [email protected] <p>The aim of this research was to evaluate the surface temperature and sensible heat emission of Japanese quails kept in a climate chamber at different temperatures: 24.0, 27.0, 30.0 and 33.0°C. The surface temperature was obtained using thermographic images collected in five regions (head, wings, back, legs and crest), calculating the average surface temperature (ST), the gradient between ST and air temperature (AT) and heat emissions by convection and radiation. The experimental design used was entirely randomised, with four treatments and six replications. Surface temperature in all regions of the birds' bodies and ST rose as air temperature rose, and the gradient between ST and AT decreased as AT rose, a fact which can make it difficult for the animals to exchange sensible heat with the environment. The crest and feet had the highest and lowest ST values, respectively. The heat emitted by the birds through convection and radiation decreases as the ambient temperature rises, and of the total heat emitted, there was a predominance of convection.</p> 2024-05-16T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.revistadelos.com/ojs/index.php/delos/article/view/1453 No sal, na água, no camarão, em nosso corpo: as rotas do microplástico 2024-05-16T14:31:36+00:00 Maria Christina Barbosa de Araújo [email protected] Estefani Santana do Nascimento [email protected] Jacqueline Santos Silva-Cavalcanti [email protected] Cristiane Maria Varela de Araújo-Castro [email protected] <p>Uma infinita parcela de fragmentos plásticos é invisível a olho nu, e constitui microplásticos de tamanho microscópico. Essas partículas estão transpondo as barreiras ambientais, onde já ocorrem aos milhares, se acumulando nos animais e até mesmo em nós humanos. Inúmeros estudos, especialmente na última década, têm descrito a onipresença dos microplásticos nos mais diversos locais do planeta (inabitados ou não) e os impactos associados, principalmente sobre a biota aquática. Mais recentemente, pesquisadores têm divulgado dados alarmantes, que comprovam a ocorrência de microplásticos em diversos tecidos e órgãos humanos, o que gera uma preocupação crescente sobre os danos à saúde, ainda praticamente desconhecido. Este ensaio tem como objetivo fazer um levantamento sobre a presença de microplásticos nos produtos consumidos pela população e sua ocorrência no corpo humano.</p> 2024-05-16T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.revistadelos.com/ojs/index.php/delos/article/view/1454 Crescimento inicial de milho fertilizado com biofertilizante de manipueira 2024-05-16T16:33:11+00:00 Narcísio Cabral de Araújo [email protected] Roseane Carneiro de Oliveira [email protected] Fábio da Silva do Espírito Santo [email protected] Abílio José Procópio Queiroz [email protected] <p>Esta pesquisa teve como objetivo avaliar o crescimento inicial de milho fertilizado com biofertilizante obtido a partir do tratamento anaeróbio de manipueira. O experimento foi realizado em vasos, instalados em condições de campo na Universidade Federal do Sul da Bahia. O delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado composto por sete tratamentos (doses de 0, 10, 20, 30, 40, 50 e 60% do biofertilizante de manipueira) e quatro repetições sendo esses aplicados em função da quantidade de água retida no solo. Foram avaliados: percentagem de emergência e índice de velocidade de emergência, altura da planta, diâmetro caulinar, número de folhas, área foliar, massas frescas e seca da parte aérea, massas fresca e seca total. Com exceção da massa seca da parte aérea e da percentagem de emergência, houve diferença estatística significativa (p &lt; 0,05) entre tratamentos para todas as demais variáveis analisadas. O modelo de regressão que melhor se ajustou aos dados do índice de velocidade de emergência foi o linear decrescente. Para as demais variáveis, influenciadas pelos tratamentos, o modelo de regressão que melhor se ajustou aos dados foi o quadrático com decréscimo a partir da dose 40% do biofertilizante. As dosagens de biofertilizante acima de 40% influenciaram negativamente as variáveis de crescimento do milho.</p> 2024-05-16T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.revistadelos.com/ojs/index.php/delos/article/view/1455 Productivity, morphology and mineral composition of forage palm clones biostimulated with humic substances 2024-05-16T16:39:34+00:00 Alberto Chambela Neto [email protected] Leonardo Barros Dobbss [email protected] Katharine Vinholte de Araújo [email protected] Gustavo Haddad Souza Vieira [email protected] Paola Alfonsa Vieira Lo Monaco [email protected] Ismail Ramalho Haddade [email protected] Laura Vescovi Lopes [email protected] <p>An initial protocol was carried out in pots with forage cactus, in a greenhouse for 90 days and, in this, the dilution of SH_6.25% [1/16 - SH (100%)] of humic substances (HS) was determined. of commercial vermicompost (earthworm humus) as the best dose of stimulus to plants through the integration of dose-response curves. This concentration was then tested in the field when planting cactus. The application of humic substances occurred one week after planting, randomizing the planting lines, so that of the 24 lines implemented, half received application of humic substances and the other half did not receive any treatment after implantation. Morphological and morphogenetic analyzes of cactus pear were carried out and it was observed that the application of humic substances provided greater positive correlations between the morphogenic variables and the production of vegetative biomass since in the treatment with humic substances the plants obtained greater vegetative biomass, height, length, width w cladode perimeter and largest cladode area index. Higher levels of potassium, magnesium, sulfur, iron, manganese and boron were also observed in plants that received humic substances. These responses show that the use of humic substances increases the production of palm biomass and positively affects the morphogenic characteristics of the crop.</p> 2024-05-16T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.revistadelos.com/ojs/index.php/delos/article/view/1456 Sistemas agroflorestais, plantas medicinais e a bioeconomia dos saberes populares 2024-05-16T16:44:37+00:00 Clovis José Fernandes de Oliveira Junior [email protected] Domingos Sávio Rodrigues [email protected] <p>A emergência climática e o antropoceno demandam ajustes e inovações nos agroecossistemas para que se tornem mais resilientes e adaptados aos eventos climáticos extremos. Entre as adaptações, os policultivos e a diversificação são estratégias chaves. O uso de espécies medicinais na composição dos policultivos pode significar importante geração de renda à agricultura familiar e aos processos de recuperação ecológica. O objetivo deste estudo foi identificar dentre os trabalhos sobre sistemas agroflorestais, aqueles que apontassem o uso de espécies medicinais. A pesquisa foi conduzida a partir de revisão na literatura científica. Como resultado é listado 109 espécies medicinais nativas do território brasileiro, distribuídas em 48 famílias botânicas. As famílias Fabaceae, Myrtaceae e Asteraceae são as mais representadas. O estudo ainda aponta a escassez de trabalhos que tragam dados e informações técnicas sobre produção, produtividade, comercialização e mercados. As espécies aqui indicadas configuram-se em excelentes oportunidades para o fortalecimento da bioeconomia e da estruturação das cadeias produtivas da sociobiodiversidade, considerando que os modelos de policultivos, como os sistemas agroflorestais são altamente indicados para mitigação dos efeitos das mudanças climáticas e para a construção da resiliência dos agroecossistemas.</p> 2024-05-16T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.revistadelos.com/ojs/index.php/delos/article/view/1459 Suscetibilidade de pacientes com Síndrome Metabólica para COVID-19 2024-05-17T19:04:44+00:00 Lucca Oliveira Franklin de Almeida [email protected] Maria Lúcia D’arbo Alves [email protected] <p>A síndrome metabólica é diagnosticada a partir da presença de 3 dos 5 critérios estabelecidos pela OMS, sendo eles: gordura abdominal; triglicérides acima de 150 mg/dL; HDL menor que 40 mg/dL em homens e 50 mg/dL em mulheres; glicemia de jejum acima de 100 mg/dL, diabetes ou aumento da resistência à insulina; pressão sanguínea maior ou igual a 130/85 mmHg ou em tratamento anti-hipertensivo. Já a COVID-19 é uma síndrome respiratória aguda grave, com o vírus adentrando as células do corpo humano a partir da ligação de sua proteína spike com a ECA 2, presente nas células epiteliais do pulmão, intestino delgado, vasos e adipócitos. Ambas as doenças desencadeiam o estado pró-trombótico de inflamação sistêmica e contínua. O objetivo deste resumo é trazer informações sobre a suscetibilidade de pacientes com síndrome metabólica para COVID-19. A metodologia utilizada foi um resumo com base nas plataformas PubMed e Scielo, sendo o critério a inclusão artigos em língua portuguesa e inglesa dos últimos 2 anos sobre a temática abordada. A pesquisa foi realizada a partir da combinação de termos que incluíam “síndrome metabólica”, “covid-19” e “obesidade”. O resultado para pacientes obesos que apresentam o aumento da expressão da ECA 2 será a possível expansão do vírus pelo seu corpo ocasionando um quadro grave de COVID-19. Ademais, desencadeia o estado inflamatório constante gerado a partir da secreção de substâncias danosas por adipócitos, macrófagos, células endoteliais e fibroblastos, sendo as principais: adiponectina, IL-6, TNF-α, angiotensinogênio e PAI-1. A repercussão obtida é o aumento da resistência à insulina, processo inflamatório sistêmico contínuo com estado pró-trombótico e hipertensão. A suscetibilidade de pacientes com síndrome metabólica para a COVID-19 está relacionada com o aumento do receptor para o vírus, assim como, o estado inflamatório constante que será agravado pela Sars-Cov 2. Os pacientes obesos apresentam queda da capacidade funcional e complacência do sistema respiratório, excursão diafragmática e hipoventilação que, associados ao quadro de infecção pulmonar grave, acentuam a condição de hipóxia já existente. O tecido adiposo contém todos os componentes de entrada e saída do vírus, como para um reservatório viral, portanto, ele irá acelerar e reforçar a inflamação vigorosa com uma resposta imune agressiva, gerando as complicações da COVID-19.</p> 2024-05-17T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024 https://ojs.revistadelos.com/ojs/index.php/delos/article/view/1462 Qualidade fisiológica de sementes de Myracrodruon urundeuva 2024-05-20T12:25:45+00:00 Lucy Gleide da Silva [email protected] Severino Moreira da Silva [email protected] Severino de Carvalho Neto [email protected] Maria Eduarda Macena dos Santos [email protected] Hilderlande Florêncio da Silva [email protected] Edcarlos Camilo da Silva [email protected] Jakeline Florêncio da Silva [email protected] Luciana Cordeiro do Nascimento [email protected] <p>A aroeira (<em>Myracrodruon urundeuva</em>) é uma espécie florestal de grande importância ambiental e econômica principalmente no Nordeste brasileiro, sendo amplamente utilizada para fins medicinais. O conhecimento da qualidade fisiológica de suas sementes torna-se essencial quanto a produção de mudas com intuito conservacionista. O presente trabalho teve como objetivo determinar a qualidade de aspectos fisiológicos de sementes de cinco matrizes de aroeira, coletadas no município de Sousa, Paraíba. As sementes foram obtidas a partir da coleta dos frutos das árvores matrizes. O experimento foi conduzido no Laboratório de Fitopatologia, do Centro de Ciências Agrárias, da Universidade Federal da Paraíba. As variáveis avaliadas foram a porcentagem de germinação; índice de velocidade de germinação; percentual de sementes mortas; porcentagem de emergência; índice de velocidade de emergência; comprimento de parte aérea e da raiz; massa seca de parte aérea e da raiz. As avaliações foram realizadas individualmente para cada matriz, composta por quatro repetições de vinte e cinco sementes. O experimento foi realizado em DIC, os dados submetidos aos testes de Shapiro-Wilk e de Bartlett. As médias foram comparadas pelo teste de Tukey até 5%, por meio do software estatístico R<sup>®</sup>. As sementes das matrizes de aroeira apresentaram comportamento semelhante, diferindo apenas no crescimento e massa seca. A matriz 5 apresentou maior comprimento e massa seca, no teste de germinação. As matrizes 2 e 4 apresentaram o maior desempenho na emergência em relação à massa seca, tanto da parte aérea como da raiz.</p> 2024-05-20T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2024