A opulência do período joanino no Brasil e o legado da obra de D. João VI para a educação e a cultura brasileira (1808-1821)

Authors

  • Júlio Resende Costa

DOI:

https://doi.org/10.55905/rdelosv16.n43-024

Keywords:

período joanino, educação, cultura, sociedade, relações de poder

Abstract

O texto versa sobre a transferência e permanência da família real portuguesa no Brasil entre 1808 e 1821, assim como seus impactos na reorganização administrativa da colônia lusitana. O artigo aborda os eventos políticos ocorridos no último quartel do século XVIII e no início do século XIX, com destaque para a Revolução Francesa (1789-1799), as Guerras Napoleônicas (1803-1815) e o Congresso de Viena (1814-1815). O estudo analisa a influência desses acontecimentos históricos na decisão de D. João VI se estabelecer na Colônia. Discute-se, também, os impactos da obra joanina para a educação e a cultura brasileira. A pesquisa qualitativa, fundamentada na revisão bibliográfica e a comunicação por meio de um texto dissertativo-argumentativo constituiu o caminho metodológico adotado para a construção do artigo. A presença da família real portuguesa no Brasil-Colônia alterou profundamente a fisionomia da capital fluminense e a sociedade brasileira. Reorganizou as relações de poder entre a Metrópole e a Colônia e inverteu as funções administrativas entre Portugal e Brasil. Ainda que em número insuficiente para atender a população em idade escolar, D. João VI aumentou a quantidade de aulas régias na Colônia. Embora o ensino secundário tenha experimentado uma expansão, os esforços do príncipe regente se concentraram no ensino superior, por meio da criação de algumas faculdades, sobretudo aquelas dedicadas à medicina. A cidade do Rio de Janeiro precisava se adequar às necessidades culturais da família real e sua corte. Nesse sentido, a cultura tornou-se um importante alvo das reformas empreendidas no período joanino. Além de reverberar na atualidade, a obra cultural de D. João VI (Imprensa Nacional, Teatro Nacional, Biblioteca Nacional e Museu Nacional) foi responsável pela formação e surgimento de uma nova classe social na Colônia: uma elite intelectual que, a partir de 1822, passaria a definir os destinos da futura nação.

References

ARON, Raymond. O ópio dos intelectuais. Tradução de Yvonne Jean. Brasília: Editora Universidade de Brasil, 1980. 268 p.

AZEVEDO, Fernando de. A transmissão da cultura. São Paulo: Edições Melhoramentos; Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1976. 268 p.

AZEVEDO, Manuel Duarte Moreira de. Instrucção publica nos tempos coloniaes do Brazil. Revista Trimensal do Instituto Historico e Geographico Brasileiro, Rio de Janeiro, tomo LV, parte II, 3º e 4º trimestres, p. 141-158, 1893. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0B_G9pg7CxKSseXM5UGZUY2RNWFE/view?resourcekey=0-CPSl4PieXLj6rT4jH6EdyQ. Acesso em: 11 mar. 2023.

BOAVENTURA, Edivaldo Machado. A educação brasileira no período joanino. In: BOAVENTURA, Edivaldo Machado. A construção da universidade baiana: objetivos, missões e afrodescendência [online]. Salvador: EDUFBA, 2009, pp. 129-141. Disponível em: https://books.scielo.org/id/4r/pdf/boaventura-9788523208936-08.pdf. Acesso em: 10 mai. 2023.

CHIAVARI, Maria Pace. A arquitetura efêmera no período joanino. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, RJ, ano 180, n. 479, p. 127-148, jan./abr. 2019. Disponível em: https://ihgb.org.br/publicacoes/revista-ihgb/item/108636-volume-479.html. Acesso em: 04 abr. 2023.

HERMANN, Jacqueline. O rei da América: notas sobre a aclamação tardia de D. João VI no Brasil. Revista Topoi, Rio de Janeiro, RJ, v. 8, n.15, jul-dez. 2007, p. 124-158. Disponível em: https://www.scielo.br/j/topoi/a/ww7Zd993XrXfZp8mnQYWdNK/?format=pdf. Acesso em: 26 abr. mai. 2023.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estatísticas históricas do Brasil: séries econômicas, demográficas e sociais de 1550 a 1985. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Rio de Janeiro: IBGE, 1986. 596 p. (Séries Estatísticas Retrospectivas, v. 3).

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Memória IBGE: censos demográficos. Rio de Janeiro: IBGE, 2021. Disponível em: https://memoria.ibge.gov.br/historia-do-ibge/historico-dos-censos/panorama-introdutorio.html. Acesso em: 30 mar. 2023.

LIMA, Manuel de Oliveira. Dom João VI no Brasil, 1808-1821. Rio de Janeiro:

José Olympio, 1945. 381 p.

LOPES, Tomás de Vilanova Monteiro. D. João VI e a administração pública brasileira. Revista do Serviço Público, Ano XXII, v. 84, n. 1, p. 5-22, julho-1959.

Disponível em: https://revista.enap.gov.br/index.php/RSP/issue/view/205/297. Acesso em: 18 abr. 2021.

MARTINS, Roberto Borges. A transferência da corte portuguesa para o Brasil: impactos sobre Minas Gerais. In: SEMINÁRIO SOBRE A ECONOMIA MINEIRA, 13, 2008, Diamantina, MG. Anais [...]. Diamantina: Cedeplar-UFMG, 2008, p. 1-18. Disponível em: https://www.cedeplar.ufmg.br/seminarios/seminario_diamantina/2008/D08A146.pdf. Acesso em: 10 mai. 2023.

MEIRELLES, Juliana Gesuelli. Política e cultura no governo de Dom João VI: imprensa, teatros, academias e bibliotecas (1792-1821). São Bernardo do Campo, SP: Editora UFABC, 2017. 497 p. Disponível em: http://books.scielo.org/id/bxsqj/pdf/meirelles-9788568576878.pdf. Acesso em: 03 abr. 2023.

MEIRELLES, Juliana Gesuelli. A Gazeta do Rio de Janeiro: o jornal oficial da

Corte de D. João VI no Brasil (1808-1821). Comunicação & Sociedade, São

Bernardo do Campo, SP, v. 29, n. 49, p. 27-41. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/CSO/article/view/759. Acesso em: 15 abr. 2023.

OLIVEIRA, Anelise. A educação entendida como civilização: medidas instrutivas realizadas no Rio de Janeiro durante o período joanino (1808-1821). Revista Interdisciplinar de Filosofia e Educação, Natal, RN, v. 1, n. 11, p. 157-169, fev./2015. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/saberes/article/view/6513/5202. Acesso em: 09 fev. 2023.

PINTO, Carlos Eduardo Pinto de. A distância entre a cidade efêmera e a memória das pedras: arquitetura e hierarquia no Rio de Janeiro do Período Joanino. Revista Maracanan, Rio de Janeiro, RJ, n. 19, p. 101-119, jul./dez. 2018. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/maracanan/article/view/33640/25781. Acesso em: 11 mai. 2023.

PRADO, João Fernando de Almeida. História da formação da sociedade brasileira: D. João VI e o início da classe dirigente do Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1968. 326 p.

ROCHA, Maria Aparecida dos Santos. A educação pública antes da independência. Acervo Digital da Unesp, Objetos Educacionais Unesp, São Paulo, SP, 2010, p. 1-16. Disponível em: https://acervodigital.unesp.br/handle/123456789/104. Acesso em: 04 mai. 2023.

SANTOS, Afonso Carlos Marques dos. O paço da cidade: biografia de um monumento. In: CAVALCANTI, Lauro (org.). Paço Imperial. Rio de Janeiro: Sextante Artes, 1999, p. 52-119.

Published

2023-06-06

How to Cite

Costa, J. R. (2023). A opulência do período joanino no Brasil e o legado da obra de D. João VI para a educação e a cultura brasileira (1808-1821). DELOS: Desarrollo Local Sostenible, 16(43), 877–896. https://doi.org/10.55905/rdelosv16.n43-024

Issue

Section

Articles