O determinismo ambiental: da crítica à atualidade das influências do meio sobre o homem

Authors

  • João Paulo Rabello de Castro Centelhas

DOI:

https://doi.org/10.55905/rdelosv17.n54-001

Keywords:

determinação geográfica, epistemologia, princípios lógicos, geograficidade, ontologia

Abstract

Este trabalho buscou revisitar o problema do determinismo ambiental ao interrogar a importância do geográfico na determinação da realidade e da reprodução social. Sua relevância emerge da seguinte interrogação: o princípio de causalidade na ciência geográfica pode existir sem a compreensão do que é o geográfico na determinação do real? A partir deste questionamento, o presente trabalho reconsiderou a problemática concernente ao determinismo à luz de novas contribuições teóricas e multidisciplinares, que articulam as relações entre ser e estar, entre técnica, ação e objeto, entre práticas territoriais e cognição espacial.

References

BOAS, Franz. Antropologia Cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2010.

CAPEL, Horácio. Percepción del medio y comportamiento geográfico. Revista de Geografia, Vol.7, n°1-2, 1973.

CARVALHO, Marcos B. Ratzel: releituras contemporâneas. Uma reabilitação? Revista Bibliográfica de Geografia y Ciencias Sociales. Universidad de Barcelona

Nº 25, 23 de abril de 1997.

CARVALHO, Marcos B. Diálogo entre as Ciências Sociais: um legado intelectual de Friedrich Ratzel (1844-1904). Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales. Universidad de Barcelona, n°34, 10 de junio de 1997.

CENTELHAS, João Paulo Rabello de C. O zapatismo e a geografia histórica das comunidades indígenas mesoamericanas: um estudo a partir do conceito de metabolismo geográfico. Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana (USP), 2017.

COSGROVE, Denis. Geography and Vision: seeing, imagining and representing the world. London: I.B.Tauris, 2008.

DELEUZE, Gilles. Conversações. São Paulo: Editora 34, 2013.

DURKHEIM, E. La Sociogéographie. L'Année Sociologique, vol. I, p.533-539, 1897.

DURKHEIM, E. Les Migrations Humaines. L'Année Sociologique, vol. III, p. 550-558, 1898-1899.

DURKHEIM, E. Morphologie Sociale. L'Année Sociologique, vol. II, p. 520-532, 1898.

FEBVRE, Lucien. A Geographical Introduction to History. London: Kegan Paul, TrenchTrubner & Co, 1925.

INGOLD, Tim. Perception of the environment. New York: Routledge, 2000.

JAMESON, Fredric. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 1996.

LA BLACHE, Paul V. Des Caractéres Distinctifs de La Géographie. Annales de Géographie, vol. XXII, p. 289-299, 1913.

LA BLACHE, Paul V. Princípios de Geografia Humana. Lisboa: Cosmos, 1954.

LACOSTE, Yves. A geografia – isso serve em primeiro lugar, para fazer a guerra. Campinas: Papirus, 2005.

LATOUR, Bruno. Reagregando o Social: uma Introdução à Teoria do Ator-Rede. São Paulo: Edusc, 2012.

LEFEBVRE, Henri. A vida cotidiana no mundo moderno. São Paulo: Ática, 1980.

LIMA, E. L. de. Do corpo ao espaço: Contribuições da obra de Maurice Merleau-Ponty à análise geográfica. GEOgraphia, 9(18), 2010.

LYNCH, Kevin. A imagem da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

MARTINS, Elvio R. Geografia e Ontologia: o fundamento geográfico do ser. São Paulo: Revista GEOUSP, n.21, 2007.

MARTINS, Elvio R. Pensamento geográfico é Geografia em pensamento? Revista GEOgraphia, Ano.18, n°37, 2016.

MARTINS, Maurício Vieira. Materialismo e subjetividade: a posição de Marx. IN: MARTINS, M. V. Marx, Espinosa e Darwin: pensadores da imanência. Rio de Janeiro: Consequência, 2017.

MARX, Karl. Grundrisse. São Paulo: Boitempo, 2011.

MATURANA, Humberto. Cognição, ciência e vida cotidiana. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

MAUSS, M. Sociologie et Anthropologie. Paris: Presses Universitaires de France, 1968.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da Percepção. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1971.

MERLEAU-PONTY, M. Structure du comportement. Paris: Quadrige/PUF, 1990.

MERLEAU-PONTY, M. O visível e o invisível. São Paulo: Perspectiva, 2000.

MOREIRA, Ruy. O rentismo e as novas formas de sujeito e conflito nas relações sócio-espaciais deste começo de século. IN: Caderno de leitura do curso “A Crise do Capitalismo”. Rio de Janeiro: Jornal Brasil de Fato, 2009.

MOREIRA, Ruy. Pensar e Ser em Geografia: ensaios de história, epistemologia e ontologia do espaço geográfico. São Paulo: Contexto, 2015.

MOREIRA, Ruy. Correndo atrás do prejuízo: o problema do paradigma geográfico da Geografia. Revista da ANPEGE, v.7, n.1, 0.49-58, out., 2011.

MOREIRA, Ruy. O que é Geografia? São Paulo: Brasiliense, 2009.

RATZEL, Friedrich. Geografia do Homem (Antropogeografia) In: Ratzel. MORAES, Antonio Carlos Robert (Org.). São Paulo: Editora Ática, 1990.

RATZEL, Friedrich. The History of Mankind. Vol. 1. London: The Macmillan and Co., 1896.

SANTOS, Milton. Espaço e Sociedade. Petrópolis: Vozes, 1979.

VARELA, Francisco (ORG.). A mente corpórea: ciência cognitiva e experiência humana. Porto Alegre: Instituto Piaget, 2001.

VARELA, Francisco. O reencantamento do concreto. IN: Cadernos de Subjetividade. São Paulo: Hucitec, 2003.

VAZ, Henrique. Antropologia filosófica. São Paulo: Loyola, 2020.

Published

2024-04-03

How to Cite

Centelhas, J. P. R. de C. (2024). O determinismo ambiental: da crítica à atualidade das influências do meio sobre o homem. DELOS: Desarrollo Local Sostenible, 17(54), e1379. https://doi.org/10.55905/rdelosv17.n54-001

Issue

Section

Articles